sexta-feira, 4 de maio de 2012

A história ficou sem ser contada por um bom tempo. Peço-lhes minhas desculpas! Estou muito envolvido com uma prima minha... Tão envolvido que me casei com ela!

Considero-me um cara de sorte! Não é qualquer um que recebe a visita de dois anjos em sua vida! Pois eu recebi e acho até que devo ter algum mérito para isso.. ou não!
O fato é que depois de rolar para cima e para baixo (quem é leitor assíduo do blog sabe a que me refiro), encontrei uma grande companheira, uma grande parceira, enfim, encontrei uma grande mulher.

Como isso tudo aconteceu? Mágica! A magia universal do amor! Foi a sincronicidade de tempo e espaço, que  nos permitiu encontrar um ao outro.

Começou com um pedido de amizade no Facebook (viva a  rede!), de uma tia que há muito não tinha notícias. A tia Ivoneth, casada com o tio Tito, já falecido.

Aí mensagem pra lá, mensagem pra cá, sincronicamente a Rede Record me fez um convite para falar sobre a minha experiência com a doença. Aceitei e fui para São Paulo!

Depois da gravação do programa, liguei para a tia, para nos encontrarmos e matar a saudade. Jantamos juntos e depois do jantar começamos a ver fotografias dos seus filhos. Quando falo em sincronicidade, me refiro à precisão cirúrgica do tempo e do espaço. A foto da Claudia tirou de mim o comentário "que linda". Essas duas palavras, mal sabia eu, estavam naquele momento preciso, selando meu destino, mudando-o de forma tão extraordinária, trazendo uma revolução que eu não acreditava mais ser possível!

Eu estava literalmente definhando... Sentindo-me só, e de fato estava absolutamente só... Paulo Pegorini, meu guerreiro amigo, foi um dos poucos a segurar minhas maiores barras. Cheguei a tomar tanto anti-depressivo antes de dormir, que passava o dia seguinte inteiro dopado. Aí à noite, tudo de novo... Porquê? Porque se não tomasse, não conseguia dormir e não conseguindo dormir ficava pensando. Pensar, naquela fase difícil que estava passando, poderia significar uma decisão muito séria... Poderia significar escolher entre viver e não viver mais...

Cada visita ao neurologista vinha acompanhada de uma perda de 2 ou 3 quilos por consulta.. Tinha já me conformado em não lutar mais... Já não tinha forças! Olhava para a geladeira, onde na porta eu mesmo colei uma  bela foto minha com uniforme de ciclismo, sobre uma bicicleta. Uma  foto da qual eu ainda podia tirar algum brilho. Me agarrava assim a pequenas coisas para seguir vivendo mais um dia... e mais outro dia...

Dias foscos, enevoados... Dias carregados como um céu de tempestade, pronto a descarregar um raio sobre a minha cabeça. Na névoa desses dias, os fantasmas das imensas perdas sofridas na minha ida irresponsável para a Espanha assombravam minha cabeça. Mas não era só esse fantasma. Outros fantasmas se apresentavam. Como o do desprezo dos que me largaram pelo caminho, o dos que.me negaram abrigo e ainda os fantasmas de quem tinha obrigação de ajudar e simplesmente disse não saber como fazê-lo... Era uma situação difícil de sustentar. Ainda não consigo compreender de onde saiu a resistência para superar este  pedaço. Me refiro à  resistência, porque força eu já não tinha mais... Estava exausto!

Nessa angustia toda, conseguia escrever o livro "Anjos e Bicicletas", que tinha prometido a mim mesmo terminar no dia do meu aniversário, para receber de presente...
(continua)
(mesmo!)

3 comentários:

  1. essa novela é das boas, muito drama e muitas reviravoltas, mas realmente tá flopz aguardar os próximos capitulos trimestrais ah ha ha... semana que vem eu volto pra conferir se já tem capitulo novo, ou então vou trazer os aldeões!

    ;-)

    JOPZ

    ResponderExcluir
  2. Pois é Jopz. Não consigo escrever quando não sinto que devo. Prometo postar todos os dias. ABraços

    ResponderExcluir
  3. Estou acompanhando capítulo por capítulo essa novela da vida real!curto muito ver o tricô de Deus em nossas vidas.

    ResponderExcluir