terça-feira, 30 de novembro de 2010

Quilometragem

Quantos limões são necessários para se fazer uma limonada? Existem várias respostas:
- Depende de quantos vão beber. Quantos vão repetir...
- Depende do gosto por mais azedo ou mais doce, de quem vai beber...
O número suficiente de limões para que a limonada fique boa, eu diria...
Quantos quilômetros uma pessoa precisa pedalar para aprender a andar com domínio sobre uma bicicleta? Muitos certamente. Aprender a pedalar é como aprender a viver, eu lhe afirmo. 
É uma atividade que nunca termina, no entanto, viver e aprender a pedalar, são coisas às quais se acrescenta um pouco mais todo dia. 
É uma soma diária de experiências, com uma diferença entre as duas atividades. Aprender a viver, depende de se ficar mais velho. Ao contrário, aprender a pedalar fica mais difícil com a idade.
A vida nos oferece todos os dias novas oportunidades de aprender a viver, algumas delas nos servem, outras nem tanto. O importante é saber que a recompensa dos cabelos brancos, da pele flacida e menos elástica, é a sabedoria de encarar a vida com outros olhos. Olhos mansos, que já viram e testemunharam muitas coisas.
Não só os olhos, mas todos os sentidos...
Aprender a brincar de viver! 
Eu sinceramente, gostaria de ter aprendido a brincar de viver. Gostaria de ter tido essa capacidade de ser mais leve, menos sério, um pouquinho mais atrevido. 
Gostaria, embora me considere uma pessoa excessivamente séria (quando não escrevo), de ter sido mais tolerante comigo mesmo e com as pessoas, mais brincalhão, menos emburrado. 
Gostaria de ter sorrido muito mais, gargalhado até a exastão, até faltar fôlego!
Por isso, de cima dos quase 56 anos, com o aprendizado que a vida tem me oferecido (que não tem sido pouco), lhe ofereço de coração, não um conselho, quem sou eu! Ofereço-lhe uma sugestão - seja condescendente, seja complacente consigo mesmo, seja seu melhor amigo. Sorria mais, dê gargalhadas até perder o seu fôlego. Viva mais...
Não espere pela Doença de Parkinson, um Acidente Vascular, ou um Infarto para se arrepender do que deixou de fazer, enquanto podia...
Seja um cara bacana com você mesmo, faça dos limões que a vida lhe dá, uma limonada no ponto certo, do jeito que você gosta, geladinha, fresca, deliciosa!


Boa noite!

domingo, 28 de novembro de 2010

São Paulo também fura pneu!

Mardição malígrina como dizia o personagem de Chico Anísio, Bento Carneiro "o vampiro brasileiro".
Pinchei a mardição na saída da minha domingueira pedalística com o Paulo Pegorini e advinhem? Pneu furado, ou melhor, remendo furado.
Vocês já ouviram falar de remendo furado? Particularmente eu que pedalo faz alguns anos, nunca tinha visto tamanha precisão em furar pneu.
Aconteceu em Piraquara. E querem mais? Existe um protetor interno que se coloca entre a câmara de ar e a  face interna do pneu, conhecido como Mister Tuff. Advinha quem estava usando Mr. Tufff? Vou dizer só as 2 primeiras letras de cada nome deste grande amigo meu "PP". Não adianta! Não vou mais dar dica nenhuma...

Se estivéssemos na antiga Roma, no tempo dos Césares, ele muito provavelmente seria conhecido como "Paulus Precisus"...
Sacanagens à parte, uma belíssima pedalada, cujo roteiro foi mudado de última hora por mim. 
Era para irmos para Campina Grande do Sul de speed, mas acontece que resolvemos dar uma parada estratégica em Quatro Barras para um café e um queijo quente e conversa vai, conversa vem, sugeri voltarmos por Piraquara. Até porque se voltássemos por Campina Grande minha "mardição" não teria pegado.
Descobrimos uma particularidade de Piraquara, que além de abrigar a Penitenciária Central do Estado, além de ser área de preservação ambiental e ser o município onde se situam os mananciais de água da serra do mar, nossa pujante cidadezinha abriga também, nada menos do que 8 igrejas em sua avenida principal. Igrejas de vários credos, naturalmente, mas aparentemente, todas com o mesmo objetivo - arrecadar para os cofres de Deus. As coisas não devem andar bem no céu e a inflação e a crise monetária internacional deve ter chegado lá também.
Inspirados por essa realidade piraquarense, eu passo agora a me chamar Missionário R C Coelho e meu dileto amigo Missionário P Pegorini, da Igreja Mundial do Pedivela Quadrangular.
No próximo sábado faremos a corrente dos dois missionários, onde estaremos ungindo, com óleo santo da shimano, a sua bicicleta, meu amigo e minha amiga. Essa poderosa corrente é feita para afastar os encostos que furam remendos de pneu.
Venha com sua bike e não esqueça de trazer a carteira. Visa e Master também são aceitos. Cheques infelizmente, por ordem de Deus, não!


Deus os abençoe!

sábado, 27 de novembro de 2010

Aquele mundo já não existe!

Falava de música. Ouvia música. Vivia música. Era um mundo de inocência e pureza. De sonhos bonitos e irrealizáveis...
Música, a combinação matemática de sons e tons. Pura mágica. Uma espécie de máquina do tempo que nos transporta em espírito e mente, longe, muito longe... Nos traz à realidade atual tudo que foi possível viver na época que ouvimos.
Ouvir "What a wonderful world", na voz de Louis Armstrong é uma experiência rara, tocante, comovente... Dependendo de como a ouvimos.
Fico pensando aqui no meu canto em quanta gente já se amou, beijou, brigou, jurou amor eterno e chorou as dores da separação ouvindo Stylistics, Nathalie Cole, Stevie Wonder, Smokey Robinson. Quanta gente!
Que turbilhão de emoções rolou através dessas vozes. Quantas lágrimas de alegria ou tristeza a Motown provocou em nós, com as suas maravilhosas "mellow tunes".
Falo de música. Ouço música. Vivo música. O mundo já não é mais aquele de anos atrás. No entanto estou aqui, musicalmente vivo, ativo e atento.
Vou lhes contar um segredo (embora alguns seguidores do blog já o saibam). Sou dj em um mundo virtual, um jogo chamado Second Life. É isso mesmo! A música para mim é muito, mas muito, muito importante. Posso dizer assim, que a música me alimenta, me diverte, me conduz, me alegra e alivia.
No próximo sábado vou trazer o Jahman Blessed, que é meu nome no jogo Second Life, para o mundo real. 
Será meu debut como DJ, na festa do Gabriel, meu simpático e doce "neto torto". Gabriel completa seus 15 anos, filho da Camile em cuja festa de 15 anos toquei também, sem pretensões, mas com muito carinho.
Música, encanto, necessidade...


Um beijo em seus corações!


Bom domingo!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Bike night ontem

Para os que não o conhecem, é meu filho. O Bike Night é um passeio ciclístico noturno que acontece há mais de 10 anos em Curitiba, cria minha sim senhor!
A idéia surgiu numa fria tarde de sexta feira em junho de 2.000. Eu trabalhava e, com frio comecei a pensar o que seria bom para esquentar. Logicamente bicicleta!
Convidei 3 ou 4 amigos e saímos do Jardim Botânico com direção incerta e decidida conforme o desejo, ou não de subidas. Direção incerta mas final certo - pizzaria!
O pedal foi ótimo e a pizza também. Decidimos repetir a dose na sexta seguinte.
Assim foi por alguns meses. Com o tempo começaram a surgir novos "passeadores" vindos de outros bairros e por questão democraticamente decidida, passamos a sair da frente do Shoping Müller. 
Um ano passou e fomos descobertos pela imprensa, que fez uma matéria divulgada na TVE. Dai a coisa cresceu mesmo. Ganhou parcerias do SESC e depois da Prefeitura Municipal que coordena até hoje o passeio.
Do Bike Night tenho o orgulho de ser criador e condutor por 7 anos consecutivos. Foram 317 edições sob meu comando, movimentando ciclistas suficientes para encher cerca de 630 ônibus de 50 lugares. Percorremos nas 317 edições uma distância equivalente a uma viagem de Curitiba a Salvador, ida e volta e ainda de quebra uma esticada até Porto Alegre. É o meu filho e é o evento mais importante no ciclismo paranaense em numero de participantes, em regularidade e em segurança. Ao menos em segurança era na minha gestão. Tínhamos o índice de 0,01% de acidentes com fraturas em 317 edições, ou seja, era muito seguro.
Ontem fui lá conferir como a Prefeitura está tratando meu filho. Fiquei feliz de vê-lo crescendo saudável. Dos antigos, os dinossauros, muito poucos. Não preciso dizer que poucos me reconheceram. Não importa, afinal os filhos são assim, criados para o mundo!
Apareça por lá! O horário é 20h15min, saída do Largo da Ordem em frente à Sociedade Garibaldi, toda quinta.
Só mais uma coisa - não esqueça seu capacete!

Boa noite!

sábado, 20 de novembro de 2010

Quem são eles?

Existe no mundo materialista a crença de que quantidade significa riqueza, opulência ou mesmo um bom sinal de prosperidade. Pois estou para lhe dizer algumas verdades que tenho vivenciado, ao longo desses 55 anos, já dobrando a caminho dos 56. Ilusão é o que nos cerca...
Ilusão é uma arma poderosa. Os norte-americanos são mestres em ilusionismo. Me recordo que há muitos anos passados, eu estava quase embarcando para ir viver um período em Nova Iorque e, por curiosidade assisti na extinta TV Manchete, um belíssimo documentário chamado "América". O documentário, muito bem produzido, aparentemente sem tendências, enfim jornalismo sério, trazia uma América dos Estados Unidos, nua e crua.
Um dos assuntos que me chamou mais a atenção foi justamente esse - a ilusão norte americana, ou seja a forma toda própria que eles têm de criar uma porção, um quadrado de 4x4 metros, extremamente verde, um gramado sintético, de plástico, no meio da aridez do deserto de Nevada. Prático, não precisa molhar, não cresce mato e nem precisa cortar - ilusão. 
Uma outra coisa passou a me incomodar, já vivendo lá, eram coisas que se encontrava no supermercado, como por exemplo bandejas de "crab meat" (carne de caranguejo). Uma ao lado da outra, com marcas diferentes e preços incrivelmente diferentes. Um dia parei para ler os rótulos de uma e de outra. Logo percebi mais um truque dos americanos. De cara vi em uma das embalagens "made with real crab meat" (carne de caranguejo de verdade) enquanto a outra, mais barata levava na composição farinha de peixe, farinha de trigo e alguns outros acidulantes, aromatizantes e outros pequenos "tricks" - ilusão.
A ilusão nos cerca a todo momento e é preciso estar atento. Não paranóico, mas atento.
Por algum tempo me iludi acerca de meus amigos, achava que tinha muitos, e tinha muitos "amigos". Mas isso era no tempo do Bike Night bombando, dos passeios de cicloturismo bem sucedidos e da popularidade que eu tinha na época.
Com as mudanças na minha vida, duras e irrevogáveis, passei a contrariar a crença de que quantidade é igual a riqueza - ilusão!
Amigos como os que tenho, verdadeiros, raros, poucos graças a Deus, são preciosidades de que não abro mão. Vou até o inferno chutar a bunda do capeta pelos meus amigos, os que ficaram. Eles sabem quem são, sem dúvida. Não é preciso citar nomes.
Declaro de hoje em diante, mais uma data festiva no meu calendário particular. Dia 21 de novembro, domingo - Dia dos amigos do Robertão!

Saúde a todos!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

De volta às musicas

Curioso refletir sobre as músicas ditas infantis, as inocentes cantigas de roda, ou pior, as de ninar.


Sambalelê tá doente,
Tá com a cabeça quebrada,
Sambalelê precisava,
é de umas boas lambadas...


Argh! O que é isso? Essa é só a primeira estrofe!
Primeiramente, o que, ou quem é Sambalelê. Convenhamos, o pai ou a mãe que dá um nome desses ao(à) filho(a), não pode ser normal. O pior é que Sambalelê nem ao menos pode justificar o mau gosto de seu nome na escola, por exemplo, dizendo que foi um engano do cartorário ao escrever no livro de registros. Sambalelê, não parece com nada aceitável como nome de pessoa.
"Ah meu nome era para ser Sambacanção, mas o cartorário..." Não dá não é mesmo?
Vamos adiante. Tá com a cabeça quebrada? Corre chama o SIAT, o SAMDU, manda fazer uma tomografia, pombas! E ainda vai precisar de umas boas lambadas? Socorro! Chamem a delegacia de proteção ao menor! Hm... Pensando bem, melhor não chamar não. Vai que recolhem Sambalê, "aos costumes", para uma FEBEM da vida?  Ai sim complica!


Atirei o pau no gato-to,
mas o gato-to,
não morreu-reu-reu,
dona Chica-ca,
dimirou-se-se
do berrô do berrô,
que o gato deu...


JOPS! JOPS! O que é isso! Por favor, chama a Sociedade Protetora dos Animais e a 7ª DP... Interna o gato porque, coitadinho, levou a paulada. Põe no interrogatório a dona Chica de Tal. Pressiona a velha até ela dar "o serviço". E já que ela sabe, e nós sabemos que ela sabe, põe no pau de arara, dá choque, afogamento... Não me volte aqui sem essa velha fdp ter falado...
Se precisar pega umas "testemunhas" e faz uma "acareação".


Boi, boi, boi,
boi da cara preta,
pega essa criança,
que tem medo de careta...


Ora, vá pro inferno!


Boa noite!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Atingimos as 10.000 visitas!

Atingimos 10.000 visitas nesse pasquim cibernético! Agradeço a todos que entram no meu dia-a-dia, que conhecem minhas insanidades através do blog. Por aqui dou vazão à máxima da amiga Yeda Feio - "Só é louco, quem não é!". Usando essa sabedoria "yediana" ponho todas as minhas angústias, meus medos, minhas alegrias, vitórias e conquistas para fora. Enfim faço uma tomografia da minha alma e a exponho para vocês, sem medo e sem recatos, apesar das porradas que tenho levado da vida, apesar de Mr Parkinson (essa mala sem alças).
Não tenho rabo preso com ninguém e não fui desmamado com garapa (frase do falecido delegado Braddock, que não faço idéia do que significa), portanto meto bronca nas minhas insanidades. Quer saber de mim? Quem sou? O que sou? A que vim? Leia-me! Já que estamos em clima de citações, cito a frase inscrita na Esfinge - Decifra-me, ou devoro-te! Trágico? Pode ser.
O que me leva a escrever? Uma unica coisa - Tesão pela vida... Gosto de viver, apesar de todos os apesares. Gosto de tudo o que faço porque procuro fazer tudo o que gosto e vou fazer enquanto o Mr. Parkinson permitir. Quando não permitir mais... Bem aí amizade com ele acaba e então vai começar uma briga das boas!
Gosto mesmo é de por a bunda no selim da minha bicicleta e sair por ai pedalando até ouvir a voz silente dentro da minha cabeça, dos músculos das minhas pernas gritando "PARA PORRA!!!! TÁ LOUCO???? Nesse momento, respondo com a mesma voz silente para eles "PARAR PORQUE? SÓ É LOUCO, QUEM NÃO É!!!

Boa noite!

ESTAMOS ATINGINDO 10.000 VISITANTES NO BLOG

FALTAM SÓ 9 VISITAS!!!
EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
OBRIGADOOOOOO!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Refletindo sobre musicas


Alguns de você que me aturam diariamente sabem que eu sou maluco por música. Os que não sabiam, agora já sabem.

Estive fazendo uma longa reflexão a  respeito de algumas letras de música e, além de me perguntar, lhes pergunto:
Que merda significa o que cantamos ou cantávamos nessas músicas a seguir?
"Escravos de Jó,
jogavam caxangá,
tira, bota,
deixa ficar,
guerreiros com guerreiros,
fazem zig zig zá"
Vamos começar a análise dessas pérolas.
Jó deve ser alguém, no mínimo, contraventor da lei. Ora, todos nós sabemos que a princesa Isabel (a redentora) proclamou a Lei Aurea (seja o que isso for). Escravos são ilegais (ao menos é o que diz a lei). Duplamente contraventor, por ser incentivador do jogo de caxangá entre os seus, digamos assim "colaboradores". Cadê a polícia?
Aliás, alguém sabe me dizer como se joga caxangá? Ou o que é caxangá afinal?
Suponho que sejam os escravos de Jó, pertencentes a uma casta especial (GLS?), porque essa história de tira, bota, deixa ficar, nos dá margem a esse tipo de ilação, não acham? Ainda mais, considerando que são "guerreiros com guerreiros", quando poderiam ser "guerreiros com guerreiras". 
Notem que essa última reflexão não tem conotação preconceituosa ou homofóbica. Trata-se apenas de uma mera reflexão.
E o tal do "zig, zig,zá"... Como é feito esse movimento?
Alguém poderia explicar?
....
Vou mais além.
"Meu limão, meu limoeiro,
Meu pé de jacarandá,
Uma vez tindolelê,
Outra vez tindolalá"

Tá! Depois dizem que o Manu Chao é maluco quando canta:

"O minha maconha
minha torcida
minha querida
minha galera
o minha cachoeira
minha menina
minha flamenga
minha capoeira"

Ou será que nós é que somos malucos e ficamos cantando tudo isso sem entender, ou talvez, entender faz parte de outras partes de músicas, entenderam?

Eu não!

Boa noite

domingo, 14 de novembro de 2010

Sob os auspícios de São Pedalino matamos a velha Chica e detonamos o Seu Julio

Oito e meia da manhã, Pirabeiraba, Santa e Bela Catarina, aos pés da Estrada Princesa Francisca, mais conhecida como Estrada Dona Francisca. Eu, Paulo Pegorini e o Mário prontos para o desafio - subir a íngreme Dona Chica, depois descer a Estrada do Rio do Julio e finalizar em Pirabeiraba.
Partimos animados para o desafio. Começo light, ritmo bastante tranquilo por cerca de 40 minutos. Fomos seguindo. 
Quando começou a subir, não houve mais trégua. Relação praticamente invertida, na frente 22 e atrás 32, como diriam os portugueses, BESTIAL!
Aprendi já há algum tempo que não existe subida intransponível. Tudo se resume a duas qualidades que o ciclista deve ter, paciência e determinação, o resto é força.
Após cerca de 1 hora subindo, a minha lombar fez um acordo com o nervo ciático para me desestimular. Geralmente essa é uma combinação que funciona muito bem contra mim. Mas não desta vez!
Percebi que se mudasse a posição sobre a bicicleta, a dor diminuía e começo a fazer variações de relação para poder pedalar em pé. Inacreditável como meu rendimento aumenta. Quando se pensa que se sabe tudo de ciclismo, vem alguma coisa nova para se aprender, fato que me remete à humildade, afinal nunca se sabe tudo.
Rompo lentamente a subida com energia, deixando meus companheiros alguns metros para trás. Um pequena parada no mirante para fotos e sandubas regados a glicodry e glicogel. Impressionante o resultado dos aditivos tipo BCAA (aminoácidos) e as glicoses.
Duríssima subida, mas nem nos passa pela cabeça desistir. O gosto da vitória ao chegar ao topo da Velha Chica é indescritível e comemorado com alegria por todos nós.
No entanto o Julio estava ainda por ser vencido. Entramos pelas duras subidas do começo da estrada.  O desgaste da Chica começa a cobrar seu preço, somado a sol a pino de meio dia, fazem uma mistura nada gostosa.
Começam as descidas. São aproximadamente 11 quilômetros descendo em curvas rápidas e cotovelos com boa inclinação. Em uma dessas curvas com um bom declive a seguir, perco a frente da bike e ganho a seguir algumas escoriações no joelho esquerdo. Chão! Nada sério.
Infelizmente a Estrada do Rio do Julio, já não é a mesma de alguns anos atrás, rude, severa e técnica como a conheci. Penso na importância da ligação dessa estrada para os moradores locais e assim perdôo as máquinas que a tornaram "carroçável" de novo. Fizeram uma reforma na velha estrada! Mas estão perdoados.
O resto da aventura virá sob forma de fotos e um filme feito pelo Paulo com uma câmera presa ao capacete.
Parabéns ao Mário pela enorme conquista de subir a Chica pela primeira vez com a relação 48X38X28 na frente, coisa que abri mão no sábado, substituindo a da minha bike, que era igual, por uma 22X32X42. Parabéns ao Paulo, que mesmo podendo andar muito mais que eu e o Mário, soube ter a paciência e o companheirismo de nos esperar.
Obrigado à Lenice também, paciente companheira, que nos auxiliou o tempo todo no carro de apoio. Beijão!
Falei  que íamos separar os homens dos meninos nessa subida da Velha Chica, no entanto percebi que acabamos juntando os homens que somos, ao meninos que ainda existem dentro de nós.


Bom dia!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

A Novena Pedalínica é um sucesso!

Mal publiquei o post com a oração de São Pedalino e já recebi milhares de e-mails narrando os prodígios realizados pelo santo. Leia alguns trechos de leitores do blog maravilhados com o poder de São Pedalino.


"... e quando o ônibus veio em minha direção fechando minha bicicleta contra o meio fio da calçada, fiquei apavorado e imediatamente gritei VALEI-ME SÃO PEDALINO, no mesmo instante os 6 pneus do ônibus murcharam e o veículo parou..."
(Jonatan Palestino)


"... estava atrasado a caminho do trabalho em minha bicicleta, quando o pneu dianteiro furou. Invoquei a oração de São Pedalino e o pneu encheu sózinho no mesmo instante..."
(Baulo Begorini)


Não perca a unção do óleo de corrente santo de israel, no próximo domingo, a partir das 6 da manhã na estrada Dona Francisca.


Mais milagres estão para acontecer! Lembre-se que a fé remove subidas!


Bons pedais!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

São Pedalino nos proteja!

Oração do São Pedalino.


Ò meu bom São Pedalino
Proteja minha bike pelas estradas,
Livra-me dos fungos na caramanhola,
Aplaina os caminhos para que as subidas sejam leves,
Afasta os pregos e tachinhas dos meus pneus,
Não nos deixe com a corrente aberta sem o sacador de pino à mão,


Ó meu bom São Pedalino,
Dos raios frouxos sede o protetor,
Dos câmbios desregulados sede o regulador,
Dos cubos com folga sede o ajustador,
Das catracas pulando sede o assentador,
Das sapatas de freio gastas sede o restaurador,


Ó meu bom São Pedalino,
Guia minha direção,
Não nos deixeis cair no chão
Mas livrai-nos do Oil Man
Amém


*Oil Man - Uma espécie de ciclista folclórico de Curitiba, que chova ou faça sol, neve ou seja um calorão, está sempre passeando de sunga, devidamente besuntado de óleo bronzeador.


PS.: Você pode também, se quiser realmente proteção extra de São Pedalino, fazer a Novena Pedalínica. A novena consiste em rezar a oração circulando em torno da bike 4 vezes e meia em um sentido e 4 vezes e meia em sentido oposto, começando no sentido horário.


Dominus Vobiscum!


Intés

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Finalmente os clips da viagem de julho!

São Video de Vedê valei-me! Finalmente estou conseguindo editar as fitas brutas da viagem a Porto Alegre.
Espero que o tamanho dos clips não seja um problema para fazer upload no Youtube. Não gostaria que perdessem qualidade. Tenho um já pronto, ou melhor quase pronto. O de Camboriu/Floripa.
Quero ver se até o final da semana tenho todos "uploadiados" no youtube.

Rio do Julio
Domingão de pedalão! Uma aventura para separar homens de meninos no próximo domingo! Cem quilômetros subindo a Estrada Dona Francisca e descendo a Estrada do Rio do Julio (uia!) depois a sobremesa, pela Rodovia do Arroz até Pirabeiraba de novo.
Se a tradição dos passeios do Rio do Julio valer, teremos chuva antes ou durante o desafio. Que tal?
A estrada faz divisa de 3 municípios em Santa Catarina e ninguém faz manutenção nela há anos. Na última visita que fiz ao Rio do Julio, ainda passavam motos de trilha, cavalos e bicicletas. Quem sabe o que ainda passa por lá... Mistério...
Desta vez prometo"salvar" as fotos da aventura no celular, porque de domingo passado acabei não salvando.
Somos 3 meninos, aspirantes a homens a tentar dominar a velha Chica e o seu Julio. Eu, o Paulo e o Mário (não me pergunte qual Mário, por favor). Los três pedaleros! 
O prêmio para os concluintes será uma inigualável, inimitável e saborosissima, tcham, tcham, tcham,.. Paçoquinha Paçoquita! (desculpa ai o plágio JOPS)
Depois conto os detalhes...
Como diz o Jops, intés ...

domingo, 7 de novembro de 2010

Domingo de pedal

Sete e dez da manhã, Colombo City, em frente ao Supermercado da Nonna. Exatamente e conforme o combinado, surge o Paulo Pegorini e o Mário. 
Após a longa e dura subida dos motéis e a curta e grossa subida do trevo do contorno, chegam meus companheiros de pedal, alegres e brincalhões. Mário com a bicicleta tunada, com aros novos e outras melhorias, o Paulo com a velha e eficiente GT e eu com a minha bicicleta com um quadro GTS Laser Etch de 18 polegadas, substituindo o minúsculo GT de 15 polegadas, que usei por algum tempo, por preguiça de mountanbikear direito.
Mamma mia! Que diferença pedalar no quadro de tamanho certo! O velho 18 polegadas que está comigo há pelo menos 5 anos, mostrou serviço. Subidas menos penosas e bicicleta incrivelmente na mão.
O roteiro escolhido foi sair de Colombo city via Ribeira, subir (ufa) em direção à Colônia Faria, depois Cangüiri (Parque Castello Branco), subindo em direção À estradinha do Clube Panorâmico, (a estradinha daquele comercial da Gazeta do Povo que tinha uma cena de casamento em que o padre chegava atrasado de fusquinha, lembram? passamos em frente da igrejinha!) depois Estrada do Encanamento, Cajuru, Av N Sra da Luz, Rua México, Parque Bacacheri, Canada e fim para os dois, para mim ainda 3 duras subidas. Enfim grande dia, ótimo passeio e grandes companhias.
Faturamos suaves 50 km entre risadas, "causos" e piadas pegorínicas... Super!


Domingo que vem quero mais! Topa? 

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Muito mais!

Às vezes me pego pensando como seria minha vida sem Mr Parkinson. Sabe o que concluo? Não sei o que seria...
Após conviver com essa mala sem alças por 30 anos, sobraram umas vagas lembranças de como era não ter que tomar remédios para passar o dia andando e fazendo minhas atividades diárias. Tomar remédio é um pé no saco!
Não querendo ser conformista, lanço uma questão a você que me lê nesse momento:
- E se não tivesse remédios? Aí sim seriam 2 pés no saco!
Tá bom... Mas e daí? 
O que quero dizer é que por maior que seja a desgraça toda, sempre existe um lado bom, que deve ser considerado. Acima de tudo!
Eu tinha uns 12 anos de idade quando ouvi da minha avó a seguinte frase:
- Toda mudança, mesmo que seja para pior, é sempre para melhor!
Na época pensei - "Coitadinha tão caduquinha!".
Mas como sempre digo, o tempo é o mestre de tudo! Levei muitos anos para entender essa frase e hoje concordo com o que ela dizia.
Meu camarada, acredite, você não tem parkinson por um capricho da natureza, ou porque você esta sendo castigado por algum terrivel pecado cometido. Parkinson não é castigo de Deus. Pelo contrário! Você é tão especial aos olhos de Deus, Jeová, Jah, Oxalá, Buda, ou seja lá o nome que você dá a Êle (na verdade é a mesma fonte de energia, apenas com nomes diferentes) que Êle lhe ofereceu uma oportunidade única de aprender muito mais sobre si mesmo e sobre a vida, do que os "destravados".
Então meu amigo viva essa especial condição sua! Descubra em si mesmo, a razão de ter essa "mala sem alças, sem rodinha, de papelão, em dia de chuva" na sua vida. Aceite isso, aceite esse agregado em sua vida, por que se você não aceitar, ai sim Deus vai lhe castigar. Sabe como? Mandando um cunhado seu desempregado, morar na sua casa! Aí sim, você não vai achar nenhum lado bom na história!


Sorria sempre, é muito mais fácil e divertido do que chorar!


Saúde e paz!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Tá encarangando? Exercício!

Você está se sentindo encarangado? Ah tá, você nunca ouviu essa palavra antes... Ok eu explico.
Encarangar não é uma gíria criada por Roberto Carlos nos anos 60. Também não é o sinônimo de ser o novo proprietário de um "carango" (essa sim é uma gíria criada pelo Roberto Carlos nos anos 60).
Encarangado é na verdade sinônimo de engelhado, entrevado, raquítico, tolhido.
Muito bem meu jovem ou minha jovem, se alguma das palavras horriveis acima faz você se sentir "como tal", só existe uma possibilidade para você sentir-se menos "como tal". Exercício!!!! Fisioterapia!!! Perseverança!!!!
Faça o que for possível, o que estiver ao seu alcance. Mas... Lembre-se de não se cobrar por um desempenho digno de um atleta olímpico. Afinal se você, como eu, tem um amigo "grudento" ao seu lado, um tal de Mister Parkinson. 
Você sabe que ele, por ser um cara chato, vai ficar enchendo o seu saco não permitindo que aquele desempenho de atleta de alta performance venha a se concretizar. Mr. Parkinson tira a concentração de qualquer atleta. Por isso, e só por isso, você não conseguirá o sonhado desempenho olímpico. 
Eu pedalo. Meu tempo para 50 quilômetros, sempre foi medíocre comparado ao dos ditos "normais" (não que me ache ou considere anormal). Mas olhe que para 30 anos de diagnóstico, 2 horas para 50 km é um desempenho maravilhoso. Ao menos para mim. Quando consegui 25 km/h de média batidinha, ali no ciclocomputador, fiquei satisfeitíssimo. Uma vitória, uma grande vitória.
Faça o que pode e mesmo que não possa, não se considere derrotado. Talvez não possa hoje ou amanhã, mas aprenda com Mr. Parkinson, a ser mais chato do que ele. Insista, persista e nunca desista.
Ocupe sua cabeça, ocupe o seu corpo. A sensação de "aprisionamento" será substituída pela agradável sensação de bem estar proporcionado por uma série de "inas" descarregadas no seu corpo pela atividade física. A endorfina, serotonina, adrenalina, e quem sabe até um pouquinho mais de dopamina de graça, da purinha criada por você e seus exercícios diários, poderão ser seus companheiros.
No entanto eu devo prevenir você! Supervisão médica é fundamental, não faça nada disso que disse acima, sem antes consultar seu neurologista, ou seu fisoterapeuta.

Paz a todos!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O eterno deus Mu-dança!

"A gente quer Mu-dança.

O dia da Mu-dança.

A hora da Mu-dança.
O gesto da Mu-dança"

Sente-se tranqüilamente e ponha-se a raciocinar.
Sente-se na arquibancada ou sente-se à mesa de um bar.
Sente-se onde haja gente, logo você vai notar.
Sente-se algo diferente: a massa quer se levantar.

Pra ver Mu-dança.

O time da Mu-dança.

O jogo da Mu-dança.
O lance da Mu-dança.

Sente-se - e não é somente aqui, mas em qualquer lugar...



Gilberto Gil escreveu e eu endosso. Nada como o culto ao deus Mu!


Mu dança para mim na minha vida, Mu dança para todos nós que acreditamos na mudança.


Paz a todos!